InHospedagem, Viagem

Minha experiência com Couchsurfing

minha experiencia com couchsurfing

O post de hoje vai ser super pessoal – com as opiniões sobre a minha experiência com Couchsurfing: afinal, como foi passar 1 semana na casa de outra pessoa? sei que pode parecer loucura para muita gente, principalmente para nós brasileiros, pois não estamos acostumados a confiar quando o assunto é ajuda, totalmente gratuita, vinda de estranhos.

Mas preciso te pedir, antes de começar a ler: guarde todos os seus pré-conceitos numa caixinha e se permita descobrir e conhecer algo novo, ok? te garanto que você não vai se arrepender!

Couchsurfing: O que é isso?

Como muita gente ainda não conhece, começo o artigo explicando sobre o que é o couchsurfing. Para tradução literal, significa ‘surf no sofá’ – e o que é a plataforma? basicamente pessoas emprestando a casa para você ficar durante a sua viagem.

+Veja outras formas de hospedagens gratuitas pelo mundo

Pode ser um sofá, uma cama, uma cama compartilhada, um quarto inteiro, um espaço no chão com colchonete. Qualquer coisa! A ideia é basicamente ajudar. Nas palavras da própria plataforma Couchsurfing: “prevemos um mundo melhorado pelas viagens e as viagens enriquecidas pela conexão. Os usuários compartilham suas vidas com as pessoas que encontram, promovendo o intercâmbio cultural e o respeito mútuo.”

Aonde eu me hospedei?

Eu usei a plataforma pela primeira vez em Outubro de 2019, em Toronto, no Canadá. E a história foi mais ou menos a seguinte: eu estava comprando passagens para retornar ao Brasil depois de 6 meses em Chicago e como sempre não resisto e pesquiso stopover (se você não sabe do que se trata, esse post pode ajudar).

(ruas da casa onde fiquei hospedada)

Achei uma passagem pagando apenas R$ 200,00 mais caro, fazendo uma parada de 1 semana em Toronto. Irresistível, se não fosse uma questão: o dinheiro. Como eu faria para pagar essa viagem se estava contando cada centavo? a solução veio com a plataforma do couchsurfing. Resolvi tentar – e consegui – uma hospedagem gratuita: enfim teria a minha experiência com couchsurfing! E isso nos leva ao próximo ponto…

Como se hospedar de forma segura através do couchsurfing?

Esse é o ponto de maior preocupação de todos: como garantir e escolher uma hospedagem segura para ficar? reuni alguns pontos que você pode analisar antes de solicitar hospedagem para alguém da plataforma:

  • Leia as referências: todos os perfis tem uma caixa de referências e você pode dar uma lida ali no que estão falando sobre os hosts. Veja também se são referências verificadas pelo Couchsurfing (se realmente houve a hospedagem);
  • Perfil verificado: embora o meu perfil ainda não seja verificado (eu não estou disponível na plataforma para receber viajantes ainda), acho super importante que o perfil de quem está aceitando viajantes seja – basicamente a plataforma confirma seu telefone, endereço e documento de identidade, o que garante que a pessoa realmente mora no local e é quem realmente está falando com você;
  • Priorize o perfil que te dá conforto: se você é mulher e tem medo de se hospedar em casas de homens, dê prioridade a pedir vaga em casas de mulheres/casais/famílias. Com o tempo você vai entendendo melhor o conceito da plataforma e talvez criando confiança para tentar outros perfis.

Nesse exemplo aqui embaixo coloquei anfitriões do Rio de Janeiro > veja que Hermann tem 48 referências, Bruno tem 1 e Thyago 12. Dentro do perfil você também consegue ler sobre a pessoa, o que ajuda a ver se faz sentido pedir vaga na casa dela – ou não.

(site Couchsurfing)

Como escolhi os pedidos que mandaria?

Como foi a minha primeira vez na plataforma, eu estava enviando convites para os perfis com alguns critérios:

  • Se fosse homem morando sozinho, que tivesse muitas referências de mulheres viajando sozinhas também;
  • Podia ser mulher ou família de qualquer perfil;

No final das contas acabei enviando inicialmente 4 pedidos: para 1 brasileiro de Minas Gerais (tinha se mudado para Toronto por razão de trabalho uns 2 anos atrás), 1 mulher, 1 rapaz canadense que tinha muitas referências no perfil de mulheres e 1 casal homossexual (dois homens mais velhos e que já viajaram para vários lugares). O casal estava no meu top favorito porque adorei o perfil deles: tinha muitas referências, todos falando sobre como se sentiram em casa com eles, etc.

E o Universo colaborou para que eles me aceitassem!

Como foi ficar na casa de estranhos?

Eu confesso que não tive curiosidade de ler em nenhum momento onde eu ficaria – e não me importava em ser na sala, sinceramente. Mas quando cheguei lá fui surpreendida com um quarto inteiro para mim!

meu quarto com couchsurfing em Toronto no Canadá

Tinham mais 2 meninas se hospedando lá também – de nacionalidades diferentes – e as duas também tinham seus próprios quartos. O meu era super espaçoso, com um closet, um janelão lindo que dava para ver a rua, cama de casal e criado mudo.

O Bill me recebeu assim que eu cheguei (os dois trabalham em home office) e me deu várias dicas da cidade, perguntou sobre mim, sobre minha viagem. O Don foi igualmente receptivo e simpático! Eles fazem você de fato se sentir em casa e eu gostaria de ter tido mais tempo para conversar com eles (como fiquei só uma semana, aproveitei bastante a cidade). Sem dúvidas eles fizeram a minha experiência com couchsurfing ser a melhor possível!

Couchsurfing: vale a pena?

Muita gente já me fez essa pergunta desde que cheguei: e aí, Ju, afinal, ficar em couchsurfing vale a pena ou não? e eu respondo com toda certeza do mundo que vale super a pena. Vai muito além do economizar dinheiro (embora só esse ponto já seja ótimo) porque você conhece outras culturas, você vê a cidade pelos olhos de nativos, você pode conversar e saber de cantinhos especiais que os turistas normalmente não vão saber.

(Eu aproveitando o espelho do meu closet 🙂 #QueroUmClosetAquiNoBrasil)

Tomar os cuidados para garantir a segurança é essencial, é claro. Não vai se jogar de cabeça em qualquer perfil novato na plataforma sem nenhum cuidado. Mas se permita testar a experiência e depois avaliar se é para você ou não – acho que a chance de você se surpreender é alta!

E você aí, já testou o couchsurfing ou nem sabia que existia? me diz aqui nos comentários. Espero que tenham gostado desse post mostrando sobre a minha experiência com o couchsurfing e até o próximo! 🙂

0

Você também pode gostar de

Deixar um comentário